Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"

Tamanho do texto A- A+
24.04.2018 | 18h46
Foro íntimo
Juiz se diz suspeito para julgar a Operação Castelo de Areia
DA REDAÇÃO
Marcos Faleiros 26-01-2018

O juiz Marcos Faleiros, que se declarou suspeito para julgar ação penal

O juiz Marcos Faleiros, da Vara Contra o Crime Organizado da Capital, se declarou suspeito para julgar a ação penal derivada da Operação Castelo de Areia, que apura crimes de estelionato cometidos no Estado.

A decisão foi dada na última quinta-feira (19) e foi motivada por "foro íntimo". Com a suspeição, o caso será remetido ao juiz Jorge Tadeu Rodrigues, que também atua na unidade.

São réus da ação: o ex-vereador João Emanuel; o irmão e advogado do ex-vereador, Lázaro Roberto Moreira Lima; o pai dos dois, o juiz aposentado Irênio Lima; a empresária Shirlei Aparecida Matsuoka; o marido dela, o empresário Walter Dias Magalhães Júnior; o diretor financeiro Evandro Goulart e o empresário Marcelo de Melo Costa.

"Por motivo de foro íntimo, declaro-me suspeito para atuar no presente feito, nos termos do art. 254 do Código de Processo Penal. Encaminhe-se ao meu Substituto Legal", disse Faleiros.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet