Artigos
  • VILSON NERY
    Li as propostas dos três candidatos, e separei as palavras “agricultura” e agronegócio” em seu contexto no plano de governo, para dar qualidade à minha pretensão
  • JOÃO PAULO OLIVEIRA
    No processo eleitoral atual há uma enorme preocupação com relação a informações falsas que são passadas no que tange a uma série de situações e candidatos

Tamanho do texto A- A+
13.03.2018 | 11h12
Propina
Presidente do Ibope nega relação com ex-presidente do Detran
DA REDAÇÃO
carlos montenegro

O presidente do Ibope, Carlos Augusto Montenegro

Citado em depoimento da Operação Bereré, que investiga um amplo esquema de fraudes no Detran-MT, o presidente do Ibope, Carlos Augusto Montenegro, disse em nota que desconhece os "personagens envolvidos" e que está "à disposição da Justiça".

O nome de Montenegro foi mencionado pelo empresário Marcelo Costa e Silva, sócio da Santos Treinamentos, empresa que segundo o Ministério Público era empregada para lavar o dinheiro obtido no esquema.

No depoimento, Montenegro é descrito como o proprietário da GRV, empresa que até 2009 executava o serviço de registro de veículos financiados (GRAVAME) no Detran-MT.

Segundo Costa e Silva, a GRV pagou propina ao ex-presidente do Detran, Teodoro Lopes, o "Dóia", para impedir que o serviço fosse novamente licitado.

Na nota, Montenegro disse que foi apenas sócio-minoritário da GRV e que sua participação se encerrou em 2010. Disse ainda que "nunca atuou como executivo da empresa".
Confira a íntegra:

"Em relação às notícias recentes de que o presidente do Ibope, Carlos Augusto Montenegro, é mencionado por Marcelo da Costa e Silva em seu depoimento sobre pagamentos de propina ao Detran-MT, que mantinha interesses comerciais com a GRV Solutions na disponibilização de dados do Sistema de Informações do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam) e Sistema de Registro Nacional de Carteiras Habilitação (Renach), Carlos Augusto Montenegro esclarece que:

- Foi sócio minoritário da GRV Solutions durante 10 anos, quando tinha apenas 6,25% de participação na empresa.

- Nunca atuou como executivo da empresa.

- Deixou de ter qualquer relação com a GRV em 2010, quando a empresa foi vendida para a Cetip, em uma transação que seguiu todos os padrões de transparência e governança exigidos pelo mercado, incluindo autorização prévia da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

- Desconhece Marcelo da Costa e Silva e os personagens envolvidos nos trechos da denúncia que vieram a público e que mencionam seu nome.

- Está à disposição para prestar os esclarecimentos necessários à Justiça."


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet