Artigos
  • JUNIOR MACAGNAM
    Em mais de 30 anos de democracia, de que valeu o foro especial? Apenas para a corrupção
  • VICTOR MAIZMAN
    Pela iniciativa popular, podem ser criadas não somente leis, como também, revogá-las
  • CARLOS RAFAEL DE CARVALHO
    Medida deve ser avaliada com ressalvas porque pode beneficiar mais aos bancos do que aos consumidores

Tamanho do texto A- A+
12.03.2018 | 15h09
Lamaçal
EIG menospreza ação do Ministério Público Estadual e Defaz
DA REDAÇÃO

Em nota à imprensa, a empresa EIG Mercados, atolada no lamaçal referente ao esquema criminoso desbaratado no Detran-MT, pela Operação Bereré, minimizou a gravidade da denúncia feita pelo Ministério Público Estadual (MPE).

"Os empresários refutam as acusações feitas pelo MPE. Informam que o dinheiro que remunera os serviços prestados pela empresa não vem de recursos públicos. Vem das instituições bancárias que concedem crédito para aquisição de veículos, e que pagam a EIG pelo registro dos contratos de financiamento", diz a empresa.

Além de desqualificar o trabalho dos promotores de Justiça e delegados da Defaz, a EIG sugere que ajuda muito o Estado de Mato Grosso, com o repasse de metade dos valores arrecadados dos contribuintes.

"Os valores são de 50% em benefício do Detran-MT, gerando uma receita expressiva para o órgão. A empresa destaca que esse percentual é o maior dentre todos os Estados, em serviços similares."

Esse tipo de posicionamento, além de significar um tapa na cara dos cidadãos, mostra o perfil duvidoso da empresa - que, finalmente, terá seu contrato rescindido pelo Estado.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet