Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    A propriedade foi adquirida pela Princesa Isabel e pelo Conde d'Eu com o dinheiro do dote dado pelo Estado para o casamento da Princesa
  • GONÇALO ANTUNES DE BARROS
    As gerações futuras precisam ouvir a voz que desta ainda aprisionam
/ RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Tamanho do texto A- A+
10.03.2018 | 13h50
Tauro Motors tem lista de 131 credores publicada pela Justiça
As maiores dívidas contraídas pelo concessionária foram com instituições bancárias
MidiaNews/Montagem
A juíza Anglizey Solivan de Oliveira, da Primeira Vara Cível de Cuiabá
THAIZA ASSUNÇÃO
DA REDAÇÃO

A juíza Anglizey Solivan de Oliveira, da Primeira Vara Cível de Cuiabá, determinou a intimação dos credores da empresa Tauro Motors Veículos Importados Ltda., concessionária da Mitishubishi na Capital, que está em recuperação judicial com dívidas de R$ 12 milhões. 

A magistrada tornou pública relação dos 131 credores da empresa, incluindo dívidas trabalhistas e com empresas.

A Tauro entrou em recuperação judicial em julho de 2017, alegando queda de até 25% nas vendas devido à crise econômica e a instabilidade política no Brasil.

A maior dívida da empresa é com a HPE Automotores do Brasil, representante da marca no Brasil. O plano de recuperação relata dois valores devidos: um de R$ 5.646.016,61; e outro de R$ 602.000,00.

Em seguida está Andrea Boscolo Camargo, que tem R$ 1.645.183,08 a receber da empresa. Outros credores são o banco Itaú Unibanco, com R$ 1,4 milhão; e banco do Brasil, com R$ 1 milhão.

Com a veiculação oficial dos montantes financeiros devidos, a partir de agora os credores terão prazo de 30 dias para apresentarem, ou não, objeções aos valores apresentados.

Recuperação

Na decisão de recuperação judicial, a juíza Anglizey Solivan de Oliveira determinou que a concessionária apresentasse, em prazo máximo de 60 dias, um plano de recuperação judicial.

Para o processo, a magistrada nomeou coma administradora  judicial  a advogada Aline Barini Néspoli. A função dela é verificar os créditos dos credores, requerer a assembleia geral destes, apresentar relatórios mensais das atividades das empresas, além de outras responsabilidades.

Ela deverá receber R$ 260 mil pelo serviço, o equivalente a 3% da dívida, recebendo 60% desse valor dividido em 36 parcelas mensais e os 40% restantes após o encerramento da recuperação judicial.


Com a recuperação judicial, todas as ações de execução contra a concessionária ficarão suspensas por 180 dias, assim como fica proibida a inclusão da empresa nos órgãos de restrição ao crédito.

A crise

No processo, a empresa - especializada em veículos de marca japonesa Mitsubishi - aponta que o empreendimento nascido no ano de 1994 começou passar por dificuldades em 2009, quando o proprietário Paulo Boscolo adquiriu um imóvel num leilão judicial com o objetivo de ampliar e modernizar a estrutura empresarial e, para isso, realizou empréstimos juntos a bancos em operações elevadas.

A situação também se agravou, segundo a concessionária, em m 2013 depois de adquirir o espólio de concessão da também japonesa Suzuki.

No entanto, percebeu que a transação era inviável por causa do aumento da alíquota de importação imposto pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o que elevou o custo operacional.

A Tauro Motors afirmou também que, após a reeleição de Dilma Rousseff, as vendas caíram 25% nos anos de 2015 e 2016. 

Também foi fator agravante, conforme a concessionária, a Mitsubishi admitir que manipulou testes de consumo de combustível, em veículos vendidos no Japão.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet