Artigos
  • PEDRO HENRIQUE MARQUES
    Aspectos constitucionais do referido instituto na atual conjuntura política
  • VICTOR MAIZMAN
    É recorrente a insatisfação e inconformismo da sociedade quanto à elevada carga tributária
  • RENATO NERY
    A imprensa diariamente notícia novos casos de apropriação do espólio da viúva
/ PRISÃO MANTIDA

Tamanho do texto A- A+
04.03.2018 | 13h00
Defesa cita corporativismo e diz que cabo está sendo pré-julgado
Conselho Militar, por unanimidade, indeferiu o pedido de prisão domiciliar a Gerson Correa
Alair Ribeiro/MidiaNews
O adbogado Neyman Monteiro: "cabo está pré-julgado"
CAMILA RIBEIRO E LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

A defesa do cabo Gerson Correa, representada pelo advogado Neyman Monteiro, criticou a decisão proferida pelo Conselho Militar - responsável pelo julgamento da ação penal dos grampos ilegais – que, por unanimidade, manteve a prisão do militar.

Os coronéis Elierson Metello de Siqueira, Valdemir Benedito Barbosa, Luiz Cláudio Monteiro da Silva e Renato Antunes da Silveira Junior seguiram voto do relator do processo, juiz Murilo Mesquita, e negaram a conversão da prisão preventiva em domiciliar.

A decisão ocorreu ao fim de uma audiência que ouviu testemunhas da ação, realizada durante toda a sexta-feira (09).

O cabo Gerson, infelizmente, está pré-julgado. Já está condenado. Hoje já quase somaram a pena dele aqui, quase saiu a condenação, só faltou dar a sentença

“À defesa cabe falar o quê? O cabo Gerson, infelizmente, está pré-julgado. Já está condenado. Hoje já quase somaram a pena dele aqui, quase saiu a condenação, só faltou dar a sentença. A defesa entende isso. Só ele ameaça todo mundo e não tem nenhuma prova disso”, disse o advogado, visivelmente irritado, após o fim da audiência.

Ele citou ainda que, para a defesa, há um entendimento de que os coronéis responsáveis pelo julgamento agem com corporativismo.

Isto porque eles concederam prisão domiciliar ao ex-comandante da Polícia Militar, coronel Zaqueu Barbosa, e não estenderam o benefício ao cabo Gerson, mesmo com um posicionamento favorável do Ministério Público Estadual (MPE).

Conforme o advogado, a defesa agora deverá aguardar o julgamento de um habeas corpus pelo Tribunal de Justiça (TJ-MT).

“Aqui não adianta tentar aqui mais nada. Temos que aguardar o HC no TJ. Vamos aguardar o HC com a decisão dos desembargadores que podem pensar de outra maneira”, disse Monteiro.

Segundo ele, ainda não há previsão para o pedido de liberdade entrar em pauta.

Leia mais sobre o assunto:

Conselho Militar mantém prisão de cabo acusado de operar grampos


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet