Artigos
  • JUNIOR MACAGNAM
    Em mais de 30 anos de democracia, de que valeu o foro especial? Apenas para a corrupção
  • VICTOR MAIZMAN
    Pela iniciativa popular, podem ser criadas não somente leis, como também, revogá-las
  • CARLOS RAFAEL DE CARVALHO
    Medida deve ser avaliada com ressalvas porque pode beneficiar mais aos bancos do que aos consumidores
/ SUPOSTAS IRREGULARIDADES

Tamanho do texto A- A+
22.02.2018 | 09h50
CNJ vai investigar juíza por suposto não comparecimento em audiências
Na decisão, o Plenário acatou requerimento para pedido de verificação apresentado pela OAB
Reprodução/CNJ
Ministro João Otávio de Noronha: Corregedor Nacional de Justiça
LUCIANA OTONI
DO CNJ

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu, em sessão realizada na terça-feira (20), instaurar Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) para averiguar possíveis irregularidades cometidas pela juíza do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) Myriam Therezinha Simen Rangel Cury, por suposto não comparecimento em audiências de instrução e julgamento. 

Na decisão, o Plenário acatou requerimento para pedido de verificação apresentado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Seção Rio de Janeiro, apontando que a juíza Myriam Therezinha Simen Ranel Cury não comparecia às audiências realizadas no Fórum Guapimirin, na Baixada Fluminense, delegando a condução dos julgamentos às suas secretárias.

Isso é coisa que joga por terra a imagem e a seriedade da magistratura

Ao julgar a Revisão Disciplinar (RD) 0003035-75.2012.2.00.0000, a maioria dos 17 integrantes do Pleno do CNJ acompanhou o relator da matéria, conselheiro Rogério Nascimento, cujo voto foi pela averiguação das irregularidades apontadas pela OAB Seção do Rio de Janeiro.

Ao proferir seu voto, o corregedor nacional de Justiça e ministro do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha, lamentou o fato dizendo que os magistrados não podem terceirizar o exercício de suas atividades. 

“É triste, juíza não comparece e coloca funcionários para fazer audiência. Isso é coisa que joga por terra a imagem e a seriedade da magistratura”, disse o corregedor.

A partir da instauração do PAD, o CNJ irá apurar as supostas irregularidades para posteriormente julgar o mérito da questão.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet