Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Os herdeiros devem saber que não receberão de forma gratuita os bens deixados por quem partiu dessa para melhor
  • XÊNIA ARTMANN GUERRA
    “Evoluímos” para a repulsiva situação de uma advogada ser presa e algemada dentro de um fórum no exercício da profissão
  • JEAN CARVALHO
    Atribuo, sob a minha ótica, a responsabilidade da dificuldade passada pelo Poder Judiciário ao próprio Judiciário
/ "REI DO ÔNIBUS"

Tamanho do texto A- A+
30.01.2018 | 08h39
MPF investiga se dinheiro de empresários de ônibus do Rio foi para o exterior
Na segunda-feira, foi pedido à Justiça para que prossiga investigação de evasão de divisas
Reprodução/GloboNews
o empresário Jacob Barata Filho
DO G1

Procuradores investigam se o domínio de um grupo de empresários sobre os ônibus no Rio de Janeiro está refletido em um patrimônio no exterior. O Ministério Público Federal (MPF) apura se o grupo abriu contas e offshores em outros países e não declarou à Receita Federal, o que é considerado crime.

Há delações implicando o empresário Jacob Barata Filho conhecido como "Rei do Ônibus". Nesta segunda (29), o MPF pediu ao STJ para manter a investigação contra o empresário por evasão de divisas.

Os empresários de ônibus do RJ são investigados pela Lava Jato pela suspeita de terem pago mais de R$ 260 milhões em propinas a políticos, entre eles, o ex-governador Sérgio Cabral, que teria ficado com R$ 122 milhões, segundo o MPF.

Quando foi preso pela Polícia Federal em 2 de julho de 2017, Jacob Barata Filho levava na mala R$ 50 mil em dinheiro, o que foi considerado estranho para os policiais já que não é comum uma pessoa deixar o país com tamanha quantia. O caso está sendo discutido no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O MPF apura ainda se Jacob Barata Filho é dono de uma conta no HSBC na Suíça e de empresas offshores, em sociedade com familiares. A defesa de Jacob Barata Filho nega a existência de contas e de empresas no exterior.

O doleiro Lúcio Funaro relatou que o empresário pagou propina no exterior a Eduardo Cunha (PMDB), ex-presidente da Câmara dos Deputados e este repassava parte do valor ao deputado estadual Jorge Picciani, ex-presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Picciani, atualmente preso em Benfica por crimes apurados na Operação Cadeia Velha, disse que não conhece Lucio Funaro e que o delator "é um bandido mentiroso". Também afirma que não recebeu dinheiro de Eduardo Cunha.

Jacob Barata já foi preso duas vezes pela força-tarefa da Lava Jato no RJ. O empresário representa a segunda geração de uma família que já comanda os transportes no Rio há quase 50 anos. Por três vezes, Barata Filho deixou a prisão após decisões do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

A primeira prisão aconteceu na noite de 2 de julho, na Operação Ponto Final, ao tentar deixar o Brasil em direção a Lisboa. Jacob Barata é acusado de pagar propinas a políticos para garantir aumento nos valores das passagens de ônibus do RJ. Barata Filho é representante da dinastia criada pelo pai, Jacob Barata e se estende por sete estados, atendendo 3 milhões de pessoas em 35 empresas. Ele ainda teria empresas no Brasil e em Portugal.

Segundo a defesa do empresário, ele tinha uma viagem de rotina para Portugal, onde tinha negócios, e voltaria no dia 12 de julho.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet