Artigos
  • JUNIOR MACAGNAM
    Em mais de 30 anos de democracia, de que valeu o foro especial? Apenas para a corrupção
  • VICTOR MAIZMAN
    Pela iniciativa popular, podem ser criadas não somente leis, como também, revogá-las
  • CARLOS RAFAEL DE CARVALHO
    Medida deve ser avaliada com ressalvas porque pode beneficiar mais aos bancos do que aos consumidores
/ ACORDO COM PGR; VEJA VÍDEO

Tamanho do texto A- A+
13.12.2017 | 15h34
“Se eu delatar, não colocarei carga no ombro de quem não deve”
Entre as supostas provas, José Riva teria entregado ao MPF recibos de suborno a deputados estaduais
Alair Ribeiro/MidiaNews
O ex-deputado José Riva, alvo da Operação Ararath: delação sem culpar inocentes
DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

Alvo de mais uma fase da Operação Ararath, na manhã desta quarta-feira (13), o ex-deputado estadual José Riva afirmou que, caso escolha fazer colaboração premiada, não fará acusações indevidas.

“Vi muitas colaborações e, se uma hora ela ocorrer, vai ser sem trauma e sem colocar nenhuma carga no ombro de quem não deve”, disse, em conversa com a imprensa, pouco antes de participar de um depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Cartas de Crédito, na Assembleia Legislativa.

Apesar da declaração, o ex-presidente do Legislativo não confirmou se está ou não fechando delação.

Segundo informações de bastidores, ele estaria em negociação com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Entre as supostas provas a serem apresentadas, ele teria entregado aos procuradores recibos de pagamentos de suborno a deputados estaduais.

“Eu tenho colaborado com a Justiça quando comecei as confissões. E essas confissões são públicas, vocês assistiram aos depoimentos. Tenho procurado contribuir dessa forma”, afirmou.

“Foi a forma que encontrei de ajudar a Justiça e, da mesma forma, atenuar minha pena em relação aos processos em casos pontuais. Estou confortável em relação ao rumo que escolhi”, completou.

Veja o vídeo:

Operação

Agentes da Polícia Federal cumpriram mandados de busca e apreensão na casa e no escritório de José Riva, no Bairro Santa Rosa, em Cuiabá, na manhã desta quarta-feira.

As investigações a respeito desse caso estão em segredo de Justiça.

Os policiais concentraram os trabalhos em um escritório de Riva, que fica no edifício comercial Avant-Garde Business, na Avenida Miguel Sutil.

Os agentes chegaram aos endereços por volta de 7h, e levaram um celular, um computador e documentos. 

Leia mais sobre o assunto:

PF cumpre mandados de busca e apreensão em endereços de Riva


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet