Artigos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    O habeas corpus protocolado em favor do ex-presidente Lula começou juridicamente errado
  • RENATO GOMES NERY
    Livro expõe como a polícia americana age para debelar o crime organizado, com a aplicação da Lei Rico
/ OPERAÇÃO ARARATH

Tamanho do texto A- A+
13.12.2017 | 10h23
PF cumpre mandados de busca e apreensão em endereços de Riva
Policiais federais concentraram os trabalhos no escritório do deputado, na Avenida Miguel Sutil
Alair Ribeiro/MídiaNews
Ex-deputado José Riva, alvo de mais uma fase da Operação Ararath
THAIZA ASSUNÇÃO, CÍNTIA BORGES E DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

Agentes da Polícia Federal cumpriram mandados de busca e apreensão na casa e no escritório do ex-deputado José Riva, no Bairro Santa Rosa, em Cuiabá, na manhã desta quarta-feira (13).

A ação, segundo informações obtidas pela reportagem, faz parte de mais uma fase da Operação Ararath. 

As investigações a respeito desse caso, porém, estão em segredo de Justiça.

Os policiais concentraram os trabalhos em um escritório de Riva, que fica no edifício comercial Avant-Garde Business, na Avenida Miguel Sutil.

Os agentes chegaram nos endereços por volta de 7h, e levaram um celular, um computador e documentos. 

MidiaNews

ararath

Viatura da Polícia Federal, que faz buscas no escritório e na casa de Riva

De acordo com o ex-deputado, a ação pode ter sido desencadeada após a delação do empresário Avilmar Araújo. 

O empresário é acusado de ter realizado três transferências para a Globo Fomento, de propriedade de Júnior Mendonça (também delator do esquema), para pagar parte de uma dívida em nome de Riva.

O suposto crime teria ocorrido em 2008, por meio da empresa L.B. Notari, localizada no Município de Juara (709 km ao Norte de Cuiabá).

As três transferências, conforme o MPF, foram fracionadas de modo a tentar não chamar a atenção dos órgãos de controle que monitoram as transações financeiras, conforme as investigações.

Riva depõe na Assembleia Legislativa (atualizada às 10h55)

Após acompanhar os agentes nas buscas, Riva saiu de casa em direção à Assembleia Legislativa. 

Ele seria ouvido ainda nesta manhã na Comissão Parlamentar de Inquérito das Cartas de Crédito.

A CPI foi criada para investigar a conduta de membros do Ministério Público Estadual, relacionada a supostas irregularidades na negociação de cartas de créditos, ocorridas na área sujeita ao controle e fiscalização do Poder Legislativo Estadual.

Veja vídeo: 

"Encaro com normalidade" (atualizada às 11h30)

Em entrevista à imprensa na Assembleia, José Riva disse "encarar com normalidade" o cumprimento de mandados de busca e apreensão em seus endereços. 

"Creio que seja por conta do depoimento do empresário Alvimar Costa, mas a gente encara com normalidade. Sempre me coloquei à disposição e todos os documentos que eles [agentes] foram buscar estavam lá, porque não tem sentido esconder documento", disse.

Questionado se pensa em fazer uma delação, Riva disse que no momento está satisfeito de colaborar com a Justiça fazendo confissões.

"Se a delação ocorrer, vai ocorrer sem colocar nenhuma carga no ombro de quem não deve, mas no momento estou confortavél com as confissões", pontuou.

Veja vídeo:

A Ararath

Desencadeada em 2013, a Operação Ararath investiga crimes contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro.

Além de José Riva, outros políticos já foram citados nas fases anteriores da operação e nos vários inquéritos da operação, como o ex-deputado e conselheiro afastado do TCE, Sérgio Ricardo, o ex-governador Silval Barbosa, o ex-secretário de Fazenda, Eder Moraes, os ex-conselheiros Alencar Soares e Humberto Bosaipo, entre outros. 


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet