Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    A lei garante à gestante o direito de pleitear do futuro pai os alimentos que sejam necessários durante a gravidez
  • RENATA MORAES
    Está mais do que na hora de extirparmos de nossas cabeças que o trabalhador não tem noção de seus direitos
MPE / SUSPEITO

Tamanho do texto A- A+
05.12.2017 | 18h15
Promotor recorre ao STJ e pede nova prisão de pastor
Paulo Roberto Alves é suspeito de ter feito sexo com uma garota de 11 anos em Cuiabá
MidiaNews
Promotor de justiça Marcos Regenold Fernandes (no detalhe)
CÍNTIA BORGES
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual recorreu ao Superior Tribunal de Justiça contra a decisão que determinou a liberdade do pastor Paulo Roberto Alves, acusado de estuprar uma menina de 11 anos e outra de 16, em Cuiabá.

O recurso especial, do dia 27 de novembro, é assinado pelo promotor Marcos Regenold Fernandes, coordenado do Nare (Núcleo de Apoio para Recursos do MPE).

Na decisão que deu liberdade ao pastor, no dia 11 de outubro, a Terceira Câmara Criminal do TJ substitui a detenção por medidas cautelares alternativas, pois entendeu, entre outros pontos, que o acusado não tem qualquer antecedente criminal.

As medidas impostas pelo TJ foram: comparecimento periódico em juízo; proibição de manter contato com pessoas envolvidas no caso; proibição de ausentar-se da Comarca quando a permanência for necessária para a investigação e o recolhimento à noite.

O promotor argumenta que, mesmo não possuindo antecedentes, o pastor ainda apresenta perigo devido a seu poder de argumentação e influência.  

“Ora, é inegável que, nessa condição, o Recorrido tem enorme poder de persuasão e de influência sobre os fiéis, chegando a ser considerado, pelos menos providos de intelecção, como enviado divino, circunstância que lhe favorece à prática de delitos sexuais, desumindo-se disso, a sua evidente periculosidade ao convívio social”, diz trecho do recurso.

Regenold ainda explica que há precedentes no STJ que autorizam a prisão preventiva em situações semelhantes à do pastor.

O promotor aponta ainda que o retorno à prisão faz-se necessária para resguardar a ordem pública. 

“Se há provas suficientes de que o Sr. Paulo Roberto Alves estaria praticando crimes de estupro de vulnerável (artigo 217-A do Código Penal) e favorecimento da prostituição ou de outra forma de exploração sexual de criança ou adolescente (artigo 218-B do Código Penal), é dever do Estado, no caso o Poder Judiciário, intervir nessa realidade, apartando esse indivíduos que desprezam totalmente as regras que regem a vida em sociedade”. 

O caso

O pastor foi preso em flagrante no dia 12 de abril e estava detido no Centro de Custódia da Capital (CCC), desde então.

PASTOR

O pastor Paulo Roberto Alves, 52 anos, foi solto no dia 18 de outubro 

De acordo com o boletim de ocorrência, o pastor foi visto por uma viatura da PM deixando duas garotas - de 11 e 16 anos - próximo a um matagal, na Avenida das Torres, na Capital.

Desconfiados, os policiais passaram a fazer o acompanhamento do carro em que o suspeito estava. Porém, ao perceber a viatura, ele fugiu em alta velocidade.

Com isso, os PMs foram até o ponto de ônibus onde as meninas foram deixadas e encontraram as duas ainda no local.

Eles questionaram as garotas, que contaram uma história e, em seguida, os policiais decidiram acompanhar as duas até o bairro onde moram.

Os pais das meninas não estavam em casa. Depois de muito insistir, as duas acabaram confessando que conheciam o suspeito há alguns dias e que, na quarta-feira (12), teriam saído para manter relações sexuais com ele, em troca de dinheiro.

A adolescente de 16 anos contou que o pastor teria ligado enquanto ela ainda estava na escola, pedindo para encontrá-la, e insistido para que levasse sua sobrinha - de 11 anos -, pois pagaria às duas a quantia de R$ 200.

A menina ainda relatou que o pastor ligou novamente assim que as deixou no ponto de ônibus, pedindo para que não contassem à polícia sobre o encontro, e que pagaria mais R$ 200 pelo silêncio de ambas.

O pastor foi preso em sua casa e encaminhado para a Central de Flagrantes de Cuiabá, onde as meninas o reconheceram como autor do crime.

No mesmo dia, ele passou por uma audiência de custódia no Fórum da Capital e teve a prisão em flagrante convertida para preventiva.

Leia mais sobre o assunto:

TJ concede liberdade a pastor acusado de estuprar adolescentes

Juiz mantém prisão de pastor acusado de abusar de duas menores 

Juiz decreta prisão preventiva de pastor acusado de estupro 


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2018
24.02.18 17h10 » Ação que questiona contrato da EIG está parada há três anos
22.02.18 10h11 » Chefe do MPE cita crise e suspende “auxílio-livro” a membros
22.02.18 09h59 » Sócios da EIG eram "maiores beneficiados" e pagavam propina, diz MPE
20.02.18 17h55 » Savi: “Não tenho medo do MPE; responderei delatores na Justiça”
20.02.18 08h32 » Delator diz que esquema começou com R$ 1,5 mi para Silval e Savi
20.02.18 08h21 » Juiz atende pedido do MPE e afasta prefeita de Juara por 180 dias
20.02.18 08h01 » Secretário da Assembleia recebeu 14 cheques de Botelho, diz MPE
19.02.18 17h39 » MPE diz que "organização criminosa" era composta por 3 núcleos
19.02.18 15h45 » MPE pediu a prisão de 49 acusados; desembargador negou
19.02.18 11h22 » Desde 2013, MPE tenta suspender contrato com empresa suspeita



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet