Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
Artigos / VICTOR MAIZMAN

Tamanho do texto A- A+
09.08.2017 | 10h20
Quem paga a conta
É imperativa a conclusão de que quem paga a conta da alteração fiscal é o consumidor brasileiro
VICTOR MAIZMAN

Ainda tratando sobre a recente majoração da tributação incidente sobre os combustíveis, restou consolidada a conclusão de que quem paga a conta da alteração fiscal é o consumidor.

No Direito Tributário, o contribuinte de fato é aquele que, embora não esteja obrigado pela legislação a recolher diretamente o tributo para os cofres públicos, é aquele que acaba assumindo o ônus decorrente da referida incidência.

Então, o contribuinte de fato é o consumidor.

Outro exemplo é no tocante a tributação incidente sobre energia elétrica e de telefonia, onde numa simples análise da respectiva fatura de consumo, é possível vislumbrar que a carga tributária incidente sobre tal operação é toda repassada para o consumidor.

Basta verificar que os produtos e serviços essenciais vêm tendo a incidência da maior carga tributária, tais quais, a energia elétrica, a comunicação e os combustíveis

Daí no exemplo acima, além do próprio custo do fornecimento de energia e telefonia, o usuário consumidor paga as contribuições PIS/Cofins, Cide, ICMS, contribuições setoriais, taxas e etc.

Portanto, quem paga o tributo é sempre aquele que por último adquire o produto. Então, o consumidor apenas não assumirá o ônus financeiro se não adquirir ou consumir o produto.

Não por isso que a Constituição Federal impõe para alguns tributos a necessidade de ser adotada a regra do princípio da seletividade, a qual consiste em impor como limitação do poder de tributar do Estado, a regra de que quanto mais essencial o produto ou serviço, menor deve ser a carga tributária.

E quando o texto constitucional fixa esta regra, é porque considera justamente a capacidade contributiva e financeira do consumidor.

Porém, é certo que a Constituição Federal não vem sendo adotada nesse sentido. 

Aliás, basta verificar que os produtos e serviços essenciais vêm tendo a incidência da maior carga tributária, tais quais, a energia elétrica, a comunicação e os combustíveis.

Assim não caberá ao consumidor reclamar do fornecedor o repasse do tributo, mas sim de acordo com entendimento do Superior Tribunal de Justiça, exercer a sua legitimidade para levar à apreciação do Poder Judiciário tal questão em face do poder estatal competente pela instituição e arrecadação do tributo impugnado, requerendo assim, que venha a preponderar as regras previstas na Carta Maior, digo, na própria Constituição Federal.

Por fim, também caberá ao Poder Judiciário quando provocado, analisar a questão de forma célere através dos instrumentos processuais vigentes, devendo no caso lembrar o ensinamento do jurista Calamandrei, quando assevera que "o provimento cautelar visa a salvaguardar o imperium iudicis, ou seja, impedir que a soberania do Estado, na sua mais alta expressão, que é a justiça, se reduza a uma tardia e inútil expressão verbal, uma vã ostentação de um lento mecanismo destinado, como os guardas da ópera burlesca, a chegar sempre demasiado tarde" (Introduzione allo studio sistematico dei provvedimenti cautelari, p. 144).

VICTOR HUMBERTO MAIZMAN é a advogado e consultor jurídico e tributário, professor em Direito Tributário, ex-membro do Conselho de Contribuintes do Estado de Mato Grosso e do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais da Receita Federal (CARF).


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
11.12.17 07h00 » A indústria do dano moral
07.12.17 06h58 » Vingança prisional cara
05.12.17 21h00 » Diagnóstico tributário
05.12.17 20h00 » Julgando, sempre
Novembro de 2017
27.11.17 16h17 » Matemática do Crime
16.11.17 11h54 » A inclusão de surdos-mudos - 1
16.11.17 11h52 » Justiça eficaz
14.11.17 15h15 » Sobre quem faz e fica
14.11.17 09h25 » Responsabilidade Civil do médico à luz do Código de Defesa do Consumidor
14.11.17 09h18 » Impunidade que mata



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet