Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    É recorrente a insatisfação e inconformismo da sociedade quanto à elevada carga tributária
  • RENATO NERY
    A imprensa diariamente notícia novos casos de apropriação do espólio da viúva
MPF / SEM CONCURSO

Tamanho do texto A- A+
20.04.2017 | 15h23
PGR contesta atos da AL-RN que efetivaram servidores
Servidores de outros órgãos estariam ocupando cargos em detrimento de aprovados em concurso público
Reprodução
Procuradoria Geral da República, que ajuizou ação junto ao Supremo Tribunal Federal
DA ASSESSORIA

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ajuizou no Supremo Tribunal Federal (STF) a Reclamação (RCL) 26774, com pedido de liminar, contra atos praticados pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (AL-RN) que teriam enquadrado servidores transferidos de órgãos e entidades diversos em cargos efetivos de sua estrutura. Segundo a ação, os atos, que também contemplaram ocupantes exclusivamente de cargos comissionados, descumprem tanto a decisão do STF na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 351, na qual se declarou inconstitucionais normas estaduais que permitiam a prática, quanto a Súmula Vinculante (SV) 43.

De acordo com a petição inicial, a reclamação foi motivada pela informação de que servidores oriundos de outros órgãos foram enquadrados ou transferidos para a AL-RN e estariam ocupando irregularmente cargos de analista legislativo, de nível superior, em detrimento de candidatos aprovados em concurso público realizado em 2013, o primeiro promovido pelo legislativo estadual. Segundo as informações, há casos de servidores aprovados para o cargo de auxiliar de serviços gerais transferidos para a AL-RN e enquadrados como servidores efetivos no cargo de analista, com remuneração de cerca de R$ 12 mil.

O procurador-geral observa que, ao julgar a ADI 351, o STF declarou a inconstitucionalidade dos artigos 15 e 17 do Ato das Disposições Transitórias da Constituição do Rio Grande do Norte, que previam, respectivamente, as formas de provimento denominadas transposição e ascensão. Na ocasião, ficou assentado que a investidura em cargo público efetivo deve ser precedida por aprovação em concurso público de provas ou de provas e títulos. “A Assembleia reclamada, contudo, procedeu ao enquadramento de servidores transferidos de órgãos e entidades diversos e de pessoas ocupantes exclusivamente de cargos comissionados em cargos efetivos de sua estrutura sem realização de concurso público e manteve a validade de tais atos, mesmo após o julgamento da ADI 351”, sustentou.

Janot aponta que se o Supremo pretendesse modular os efeitos da declaração de inconstitucionalidade na ADI 351, para manter a validade de tais atos, o teria feito. “Não o fez consciente e deliberadamente”, ressaltou. Ele explicou ainda que o reconhecimento de inconstitucionalidade de uma lei tem natureza declaratória, com efeitos retroativos e que a "modulação de feitos se justifica apenas nos casos em que estejam comprovados riscos irreversíveis à ordem social".

“Não há razões de segurança jurídica ou excepcional interesse social que justifiquem a modulação realizada pela Assembleia reclamada. Na verdade, o risco existente na situação subjacente está em admitir a convalidação de uma ilegalidade manifesta, que, além de já afastada pela Suprema Corte, implica gastos públicos indevidos e irreversíveis”, destacou.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2018
07.06.18 17h06 » MPF denuncia mais de 60, incluindo Sérgio Cabral
Maio de 2018
29.05.18 16h28 » MPF denuncia autor de tomataço contra o ministro Gilmar Mendes
28.05.18 16h01 » Segurança Pública precisa se atentar aos ataques cibernéticos, diz Dodge
17.05.18 16h02 » MPF recomenda mais estudos antes de duplicação da MT-251
02.05.18 15h15 » PGR denuncia Blairo e Sérgio Ricardo por corrupção ativa na Ararath
Abril de 2018
16.04.18 16h18 » MPF notifica Governo do Estado a ressarcir R$ 5 mi à União
16.04.18 16h05 » "Não há sentido na existência do foro privilegiado", diz Dodge
03.04.18 12h18 » Raquel Dodge diz que 'Justiça que tarda é Justiça que falha'
Março de 2018
22.03.18 15h20 » Raquel Dodge defende prisão de Lula na 2ª instância
13.03.18 10h41 » Raquel Dodge diz ao STF que governo tem poder para rever decisão sobre Battisti



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet