Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    É recorrente a insatisfação e inconformismo da sociedade quanto à elevada carga tributária
  • RENATO NERY
    A imprensa diariamente notícia novos casos de apropriação do espólio da viúva
J. Estadual / SODOMA

Tamanho do texto A- A+
20.04.2017 | 14h29
Vídeos são "carta na manga" de Silval em delação
Fontes afirmam que ex-governador já apresentou os anexos, que foram aprovados pelos procuradores
Marcus Mesquita
O ex-governador Silval Barbosa, que tenta firmar acordo de delação premiada
GLÁUCIO NOGUEIRA
DA GAZETA DIGITAL

Estaria em fase avançada a tratativa para um acordo de colaboração premiada firmado pelo ex-governador Silval Barbosa (PMDB). Fontes afirmam que ele já apresentou os anexos, que são os casos em que ele possivelmente poderia prestar informações, e boa parte deles já teria sido aprovada pelos procuradores e promotores que cuidam do caso.

A defesa do político, preso desde setembro de 2015 e réu em diversas ações por desvio de recursos públicos, reafirma que nao há nenhum acordo de colaboração em andamento.

A reportagem apurou que o acordo de colaboração envolvendo Silval e as autoridades vem sendo tratado há algum tempo. Ele já teria prestado diversos depoimentos e apresentado os anexos. Entre as provas que poderiam ser juntadas ao acordo, estariam gravações e vídeos, feitos pelo próprio político, que governou o Estado entre os anos de 2010 e 2014.

Além do Ministério Público Estadual (MPE), um acordo de colaboração de um político como Silval envolveria a Procuradoria-Geral da República (PGR) e o Ministério Público Federal (MPF), por contar, possivelmente, com a indicação de supostos crimes cometidos por agentes públicos com prerrogativa de função. Segundo a mesma fonte, detalhes separam Silval do acordo com os procuradores e promotores.

A informação circula há vários dias, inclusive, com notas divulgadas na imprensa nacional, como o site de O Globo. Desde então, os advogados Valber Melo e Ulisses Rabaneda, que cuidam da defesa de Silval e, inclusive, estiveram na 7ª Vara Criminal de Cuiabá nesta terça-feira (18) para prosseguir na defesa do político em uma das ações das quais ele é réu, negam a negociação.

“Silval Barbosa vem se defendendo de todas as imputações formuladas desde o início da operação Sodoma, tendo orientado sua defesa técnica a continuar recorrendo as instâncias superiores na tentativa de demonstrar tanto a desnecessidade da custódia, seu prolongamento excessivo, quanto a nulidade dos atos processuais praticados no bojo da citada operação”, afirmam os defensores por meio de nota. Valber e Rabaneda, inclusive, já estudam as próximas ações a serem implementadas, inclusive no Supremo Tribunal Federal.

O MPE informou, por meio de sua assessoria, que o processo de colaboração possui natureza sigilosa e que, portanto, nao pode e nem deve ser tratado publicamente, sob pena de prejudicar todo o trabalho desenvolvido.

Silval é apontado pelo MPE como chefe de uma suposta organização criminosa que contava com a atuação de diversos agentes públicos. Entre estes agentes estavam ex-secretários, um procurador aposentado e ex-presidentes de autarquias e órgaos da administração pública. Desde que foi preso, o político nega todas as acusações.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2018
20.06.18 16h50 » Juiz desmembra ação contra “falso chinês” acusado de golpes
19.06.18 15h13 » Defesa diz que dono de grupo "nunca recebeu nada de Nadaf”
19.06.18 14h57 » Engeglobal culpa a Copa de 2014 e entra com recuperação judicial
19.06.18 09h37 » Réu acusado de ameaçar ex-Seduc tem nova prisão decretada
19.06.18 08h11 » Supermercado deve indenizar cliente por vender torta estragada
18.06.18 18h18 » Juiz diz que só não afastou Taques porque não houve pedido
18.06.18 15h31 » Justiça manda servidor apagar comentário ofensivo contra juiz
15.06.18 15h27 » Perri afirma que não se pode condenar por “mera suposição“
15.06.18 11h46 » Através de ex-juiz Julier, vereador tenta revogar escolta de Selma
15.06.18 11h38 » Tribunal condena deputado por peculato na Assembleia em 1996



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet