Artigos
  • CARLA RACHEL FONSECA
    Paternidade socioafetiva é reconhecimento jurídico da paternidade com base no afeto
  • VICTOR MAIZMAN
    Brasil tem a possibilidade de participar dos diferentes órgãos da OCDE
/ ISOLAMENTO

Tamanho do texto A- A+
17.07.2020 | 08h04
Juiz prorroga por mais sete dias quarentena em Cuiabá e VG
Lindote diz que após prazo e havendo alteração da situação, poderá realizar audiência de conciliação
Reprodução
DA REDAÇÃO

O juiz da Vara Estadual da Saúde de Mato Grosso, José Luiz Leite Lindote, decidiu, nesta quinta-feira (16), prorrogar por mais sete dias a quarentena obrigatória em Cuiabá e Várzea Grande.

A decisão passa a valer a partir da zero hora desta sexta-feira (17), se encerrando somente na próxima quinta-feira (23). 

O objetivo é conter o avanço da Covid-19 nos dois municípios, que continuam classificados pela Secretaria Estadual de Saúde como de alto risco para a disseminação da doença. A classificação está em um sistema criado pelo Governo do Estado. A medida, que muda semanalmente, mostra uma lista de cidades em risco e as ações que devem ser adotadas a depender do grau de cada localidade. 

Na decisão, o magistrado ressaltou que, apesar do grande número de casos e de óbitos, não houve a prorrogação voluntária dos decretos municipais, “o que me permite intervir em razão da omissão das autoridades públicas competentes”.
 
Ele destacou que, após esse prazo e havendo alteração da situação epidemiológica, poderá ser realizada nova audiência de conciliação ou a quarentena poderá ser prorrogada por igual período.
 
Determinou ainda que os municípios de Cuiabá e Várzea Grande orientem os servidores da Defesa Civil, Vigilância Sanitária, Fiscalização Geral, Guarda Municipal e Procon para que exijam maior rigor na fiscalização de festas e confraternizações familiares e proíbam qualquer atividade de lazer ou evento que cause aglomeração, tais como shopping center, shows, parques, jogos de futebol, cinema, teatro, bares, restaurantes, casa noturna etc., como prevê o artigo 5º do Decreto Estadual nº 532, de 24/06/2020.
 
O rigor na fiscalização também deve recair sobre empresas cuja atividade não se enquadra como essencial e que eventualmente burlem as regras previstas no Decreto Federal nº 10.282, de 20 de março de 2020.
 
Segundo o magistrado, o Governo do Estado se comprometeu a reforçar o efetivo policial para ajudar no cumprimento das medidas restritivas impostas.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2020 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet