Artigos
  • RENATO GOMES NERY
    O falso positivo com o nome sugere é tudo aquilo que foi tido como positivo e é negativo
  • VICTOR MAIZMAN
    Apesar dos animais serem classificados como “coisa” pelo Código Civil, STJ já flexibilizou tal conceito
/ CRÍTICAS A EMANUEL

Tamanho do texto A- A+
29.06.2020 | 16h54
MPE vê medo de desgaste, mas diz que “mortos não movem economia”
José Antonio Borges aponta uma "mudança radical" na postura do prefeito em meio à pandemia
Alair Ribeiro
José Antônio Borges Pereira do MPE
CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

O procurador-geral de Justiça José Antônio Borges disse ver uma mudança “radical” na postura do prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) em meio à pandemia da Covid-19.

Em entrevista ao MidiaNews, Borges lembrou que, tão logo surgiram os primeiros casos da doença, o Município adotou o isolamento social de forma bem dura, permitindo somente o funcionamento de atividades consideradas essenciais.

Agora, recorreu à Justiça na tentativa de barrar a “quarentena coletiva” imposta em Cuiabá e em Várzea Grande. O pedido foi negado pelo desembargador Rui Ramos, mas o prefeito fez um novo recurso.

“O prefeito mudou o discurso, daquela forma rigorosa que ele estava tratando. E sabe-se lá o porquê”, disse.

Agora ele diz que está preocupado com a economia. Acontece que a economia existe para pessoas vivas, não para pessoas mortas. Mortos não consomem nada

“Ele estava sendo tão drástico, mas aí inverte o discurso anterior como se ninguém quisesse assumir a responsabilidade do ônus e como se a população não tivesse essa percepção do que está ocorrendo, esses movimentos políticos aí”, emendou.

Questionado se a postura de Emanuel teria ocorrido por temer eventuais desgastes junto à população, especialmente em função do processo eleitoral que se avizinha, o chefe do MPE resumiu: “Exatamente”.

O procurador, também, rebateu as alegações de Emanuel dando conta de que há, neste momento, uma preocupação com a economia da cidade.

Em entrevista na última quarta-feira (24), o prefeito afirmou que a quarentena coletiva fará Cuiabá caminhar para um “colapso econômico e uma quebradeira generalizada”.

“Há uma mudança de postura radical. Agora ele diz que está preocupado com a economia. Acontece que a economia existe para pessoas vivas, não para pessoas mortas. Mortos não consomem nada”, concluiu o chefe do MPE, ao defender o isolamento mais rígido na cidade.

Leia mais sobre o assunto:

Emanuel cita “canetada”, prevê quebradeira generalizada e caos


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2020 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet