Artigos
  • RENATO GOMES NERY
    O falso positivo com o nome sugere é tudo aquilo que foi tido como positivo e é negativo
  • VICTOR MAIZMAN
    Apesar dos animais serem classificados como “coisa” pelo Código Civil, STJ já flexibilizou tal conceito
/ INDÍCIOS DE SOBREPREÇO

Tamanho do texto A- A+
16.06.2020 | 10h50
TCE-MT suspende compra de kits para teste rápido da Covid-19
A medida cautelar foi concedida pelo conselheiro Isaias Lopes da Cunha
Victor Ostetti
O conselheiro Isaias Lopes da Cunha
DA REDAÇÃO

O Consórcio Intermunicipal de Saúde Vale do Arinos terá que suspender cautelarmente todo e qualquer contrato decorrente da dispensa de licitação destinada a aquisição emergencial de kits para teste do novo coronavírus (Covid-19). A medida cautelar foi concedida pelo conselheiro do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) Isaias Lopes da Cunha, em representação de natureza interna movida pelo Ministério Público de Contas (MPC) por indícios de sobrepreço.

Conforme a decisão, a dispensa de licitação foi destinada a compra de 70 kits de teste rápido no valor global de R$ 91 mil, ou seja, cada kit custaria R$1,3 mil. Além disso, a dispensa foi alicerçado em único preço de cotação, que fora fornecido pela mesma empresa arrematante do procedimento.

Conforme informações da Secretaria de Controle Externo de Contratações Públicas, numa dispensa de licitação da Secretaria Estadual de Saúde, que teve objeto semelhante, o preço por unidade foi R$ 98,5. “Comparando   os   preços   obtidos   pelo   Consórcio Intermunicipal de Saúde Vale Arinos e a Secretaria Estadual de Saúde, o Estado vai dispender somente 7,58% do valor arcado pelo consórcio para aquisição de item com funcionalidade semelhante”.

O MPC apontou ainda que, ao se realizar a comparação entre os valores obtidos em ambos os contratos, verifica-se que para cada kit de teste rápido adquirido pelo consórcio, o Estado conseguiria adquirir 13 kits. Também foi advertida a falta de informações no site oficial do Consórcio Intermunicipal   de   Saúde   Vale Arinos   a   respeito   do procedimento.

Ainda como exemplo, o Ministério Público de Contas ressaltou que o município de Cáceres adquiriu 60 kits de teste rápido com o preço unitário de R$ 119, num custo total para os cofres do município de R$ 7,1 mil. O mesmo valor foi alcançado em compras de kits realizadas pelos municípios de Rondonópolis e Pontes e Lacerda.

Isaias Lopes da Cunha argumentou que neste caso, onde foram apresentados elementos contundentes de possíveis danos ao erário, é necessário conceder medida cautelar suspendendo a compra até que sejam corrigidas as falhas apontadas.

O relator apontou ainda que, na pesquisa de preços, a amostra para composição do preço referência do certame pode ser obtida a partir de contratos anteriores do próprio órgão ou de outros órgãos. “A declaração de estado de calamidade pública não tem o poder de afastar o dever de conduta razoável por parte do gestor quando da realização de aquisição de bens, serviços e insumos necessários ao desempenho de suas funções, quanto mais daqueles que dizem respeito a situação de pandemia decorrente da Covid-19”.

Frente ao exposto, o relator determinou ao Consórcio Intermunicipal Vale do Arinos além que suspenda os contratos oriundos da dispensa de licitação nº 01/2020-CISVA e que apresente sua defesa ao TCE-MT e ao Ministério Público de Contas.

O Julgamento Singular N° 440/ILC/2020 ainda será analisado pelo Tribunal Pleno, que decidirá pela homologação ou não da medida cautelar.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2020 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet