Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Temos que acreditar que amanhã será melhor que hoje, fazendo cada um, uma corrente positiva
  • BRENDA STOFELL
    A Adaptação em meio ao caos da crise econômica causada pela pandemia do coronavírus
/ CASO PALETÓ

Tamanho do texto A- A+
16.03.2020 | 16h24
Ex-secretário de Silval consegue liminar para não depor na CPI
Em decisão, magistrado citou que Alan Zanatta tem o direito à não autocriminação
Alair Ribeiro
O ex-secretário de Estado Alan Zanatta
CÍNTIA BORGES E BRUNO GARCIA
DA REDAÇÃO

O juiz plantonista Jeverson Luiz Quinteiro, do Fórum da Capital, concedeu decisão liminar (provisória) para o ex-secretário de Estado Alan Zanatta não depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Paletó, em oitiva que deveria ocorrer na manhã segunda-feira (16).

A investigação apura suposta quebra de decoro do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), gravado recebendo maços de dinheiro – supostamente de propina – à época em que era deputado estadual.

Nela, ainda é apurado se Zanatta tentou obter declarações do ex-chefe de gabinete do ex-governador Silval Barbosa, Silvio Corrêa, que pudessem inocentar o prefeito. Essa gravação foi entregue pelo ex-secretário a Emanuel.

A defesa de Zanatta alegou que ele "não será ouvido na condição de testemunha, mas certamente será interrogado como investigado da mencionada CPI”.

De acordo com magistrado, o ex-secretário - por se tratar de um dos objetos da CPI - tem a prerrogativa da não "autoincriminação". 

“Com efeito, na qualidade de investigado deve ser garantido ao paciente o direito de não comparecimento à Câmara Municipal de Cuiabá para prestar depoimento [...] resultante da prerrogativa contra a autoincriminação, resguardando-lhe assim o direito constitucional da ampla defesa e, sobretudo, evitando que o paciente seja constrangido com perguntas que o mesmo, já se sabe, não deseja responder”, disse.

Zanatta é tratado como um "agente de atos ilícitos" pela CPI e tem a prerrogativa de não prestar esclarecimentos à Comissão.

"Aquele que se acha submetido - ou que possa vir a sê-lo - a procedimentos estatais de investigação penal ou de persecução criminal em juízo tem o direito de não comparecer ao ato de seu depoimento ainda que regulamente para ele convocado”, disse magistrado em sua decisão.

O presidente da CPI, vereador Marcelo Bussiki (PSB), afirmou que vai recorrer da decisão.

Outro depoimento

Zanatta chegou a ser ouvido na primeira fase da CPI em fevereiro de 2018. Na ocasião ele afirmou que resolveu gravar a conversa com Silvio Corrêa, apenas para se “proteger” e “resguardar”.

Leia mais sobre o assunto:

CPI do Paletó pode ter acareação entre delator e ex-secretário

Zanatta nega obstrução e diz que gravou Sílvio para se resguardar


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2020 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet