Artigos
  • LUIZ HENRIQUE LIMA
    Em 2013, publiquei o meu primeiro artigo sobre a controvérsia do FEX
/ FUNDO DE R$ 1,5 BI

Tamanho do texto A- A+
11.03.2020 | 14h59
STF arquiva pedido para "acabar" com Fethab em MT
Ministro Gilmar Mendes entende que Sociedade Rural Brasileira é ilegítima para propor ADIN
Carlos Moura/SCO/STF
O ministro Gilmar Mendes, do STF
AMANDA DIVINA
DO FOLHAMAX

A Ação Direta de Inconstitucionalidade contra lei do Estado de Mato Grosso que instituiu o Fundo de Transporte e Habitação (Fethab) foi arquivada pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), nessa terça-feira (10) em Cuiabá.

O ministro também pediu o recolhimento em algumas operações de circulação de mercadorias. Somente no ano passado, o Fundo arrecadou cerca de R$ 1,5 bilhão ao Estado, valores que foram importantes para a recuperação fiscal e a realização de alguns investimentos em infraestrutura.

A representação no STF foi protocolada pela Sociedade Rural Brasileira (SRB). Segundo a inicial, o Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab), estaria  causando um aumento de custo para os agricultores que comercializam produtos para outros estados.

Ante o exposto, em face da ilegitimidade ativa ad causam da requerente, nego seguimento à presente ação

“Ante o exposto, em face da ilegitimidade ativa ad causam da requerente, nego seguimento à presente ação direta de inconstitucionalidade”, disse Gilmar Mendes.

O pagamento do Fethab incide sobre produtos agropecuários, mas também sobre óleo diesel e energia elétrica.  

O Fethab foi criado pelo governo do estado do Mato Grosso, em 2000, com o objetivo de arrecadar fundos para a construção e manutenção da infraestrutura rodoviária e habitação.

Entretanto, segundo a SRB, apenas 30% (trinta por cento) destes recursos têm sido aplicados nas atividades geridas pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística.

A maior parte é utilizada pelo Tesouro do Estado indiscriminadamente, inclusive para custeio da máquina e pagamento de salários.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2020 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet