Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    É preciso entender a CF para analisar se a lei está em consonância com a Carta
  • ROSANA LEITE DE BARROS
    O que tenho visto são estatísticas evidentes e gritantes de violência doméstica e familiar
/ PAULO LEMOS

Tamanho do texto A- A+
07.01.2020 | 15h48
Uma sociedade sem donos
Tudo isso não pode ser tratado de maneira dogmática, com a falsa premissa de que tudo sempre foi assim
PAULO LEMOS

As pessoas não percebem, sequer tem uma intuição, sobre as condições e causas concretas dos modelos de instituições que temos. 

Tanto na iniciativa privada, no poder público e na vida íntima e privada, como no casamento. 
 
É uma construção sócio-cultural e político-econômica. 
 
Então, tudo isso não pode ser tratado de maneira dogmática, mesmo não funcionando, com a falsa premissa fatalista de que tudo sempre foi assim. Absolutamente não! 
 
As coisas foram mudando historicamente e de maneira pluriforme, diversificada, ao redor do Mundo. É só estudar um pouco de história e geologia, antropologia, sociologia, ciência política e filosofia.
 
Então, como não chegamos no Apocalipse ou ao Armagedom, a tendência, para não dizer a correnteza, é de que tais instituições sejam remodeladas, constantemente, como camaleão ou o lagarto que entra no casulo e vira borboleta, de acordo com o avanço civilizatórios da humanidade, embora existam travas. 
 
Nesse sentido, um dos principais empecilhos para esse salto de qualidade é a noção de propriedade privada consolidada que temos (eu não!). 
 
Ela chega ao ponto de levar pessoas a ainda acharem que são donas das outras, patrão dos empregados marido da mulher, Padre e Pastor dos leigos e fiéis, governantes dos servidores e cidadãos. 
 
É um arquétipo de espoliação, opressão e cabresto, sendo a escravidão contemporânea, ou como está na moda, a pós-escravidão. 
 
Enfim, um cenário vertical, onde uns estão acima e pisam nos que estão em baixo. 
 
O ideal seria horizontal, em que a autoridade do argumento valesse mais do que o argumento da autoridade, lembrando Descartes, e, humildemente e com plena ciência e consciência, todos sabendo que ninguém é dono de ninguém.
 
Tampouco melhor, pois, como dizia o velhinho de barba branca, não o Papai Noel, e, sim, o revolucionário, visionário e humanizado, um verdadeiro missionário da educação e alfabetização, Paulo Freire, ninguém sabe tão pouco que não tenha nada para ensinar e tão muito que não tenha nada o quê aprender. 
 
Precisamos de uma nova Ágora! 
 
Todavia, sem deixar ninguém de fora, todos no mesmo patamar de participação, voz e voto, derrubando as correntes que impedem as pessoas de serem livres e independentes, inteiramente donas dos seus narizes e protagonistas das suas trajetórias, construindo os seus legados, sem xerifes da vida alheia, sem cuidar da sua própria aldeia ou tirar dos seus olhos a areia.
 
Paulo Lemos é advogado eleitoralista, administrativista e criminalista, além de defensor dos Direitos Humanos.

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2020 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet