Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    MT está entre os estados que cobram os valores mínimos mais elevados do país
  • GONÇALO ANTUNES DE BARROS
    A liberdade, pura e genuína, é impossível, pois sofre limitações por parte do Estado
/ RICARDO ELETRO

Tamanho do texto A- A+
26.11.2019 | 13h59
Justiça determina desocupação imediata de imóvel
A defesa da empresa dona do imóvel informou que já está tomando as medidas necessárias para a desocupação
Alair Ribeiro
A ordem de despejo deve ser cumprida de imediato
DA REDAÇÃO

A Justiça determinou que a loja Ricardo Eletro desocupe imediatamente o imóvel localizado na avenida Fernando Corrêa, em Cuiabá. A ordem de despejo deve ser cumprida de imediato, de acordo com a juíza Ana Paula da Veiga Carlota Miranda, da Oitava Vara Cível de Cuiabá. A decisão é do dia 22 de dezembro.  

A defesa, composta pelos advogados Flaviano Taques e Marcelo Lucena, da empresa dona do imóvel informou que já está tomando as medidas necessárias para a desocupação. “Não há mais prazos para serem cumpridos, somente a saída imediata”, afirmou o advogado Flaviano Taques.

De acordo com o jurista, a medida visa retomar o imóvel, uma vez que a Ricardo Eletro vem atrasando repetidamente o pagamento dos alugueis. “Além de efetuar o pagamento atrasado, também há valores já vencidos e sem previsão de quitação, o que está gerando prejuízos ao nosso cliente”, apontou Taques.

A ordem de despejo contra a Ricardo Eletro é de julho deste ano, mas as empresas Carlos Saraiva Importação e Comércio Ltda e Máquina de Vendas Brasil Holding S.A., proprietários da Ricardo Eletro, tentavam anular a sentença, com manobras jurídicas, alegando que estão em processo de recuperação judicial.

A juíza atendeu ao pedido da proprietária do imóvel, Zugair Automóvel, para desocupação imediata do imóvel, apontando que “a recuperação judicial não impede o despejo, diante do entendimento firmado pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) de prevalência do direito de propriedade. O credor proprietário do imóvel não está sujeito aos efeitos da recuperação judicial”.

A ordem de despejo deve-se, não somente pela ausência de pagamento dos alugueis, mas também pelos atrasos de IPTU. O contrato se encerraria somente em 2022. A condenação também teve multa pecuniária por descumprimento.

Além do despejo, a Ricardo Eletro foi condenada a pagar os alugueis atrasados desde agosto de 2018 até a data da desocupação, com juros e correção monetária e pagamento do IPTU de 2019 no tempo proporcional de ocupação.

A loja da Ricardo Eletro na avenida Fernando Corrêa, a antiga Planeta City Lar, é a maior do grupo em Mato Grosso e uma das maiores na região Centro Oeste.

Esta não é a primeira vez que a Ricardo Eletro é obrigada a sair de um imóvel por falta de pagamento dos alugueis. O mesmo aconteceu em agosto com uma das lojas localizadas na rua 13 de Junho, também em Cuiabá.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet