Artigos
  • RENATO GOMES NERY
    Movimentação política, com vistas à sucessão municipal em Cuiabá, começou
/ DURAS CRÍTICAS

Tamanho do texto A- A+
03.10.2019 | 10h08
"Lava Jato usava prisão provisória como elemento de tortura", diz Mendes
Ministro disse que quem defende tortura não pode ter assento no Supremo
Carlos Moura/SCO/STF
O ministro Gilmar Mendes, do STF
DO CONSULTOR JURÍDICO

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, voltou a criticar os abusos da operação "lava jato" e a citar as revelações do The Intercept Brasil durante a sessão desta quarta-feira (2), em que se decidia a ordem das alegações finais dentro de um processo penal.

"Usava-se a prisão provisória como elemento de tortura”, disse, enquanto citava o agora ministro Sergio Moro (Justiça) e o procurador da República Deltan Dallagnol.

Ao citar diálogos entre os procuradores da força-tarefa em torno do consórcio formado a partir da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, Gilmar descreveu Deltan, um dos líderes da operação, como "um sujeito tão vaidoso que falava com o "espelho", conforme revelou uma das conversas dentro do aplicativo de troca de mensagens Telegram.

Quem defende tortura não pode ter assento na Corte Constitucional. O Brasil viveu uma era de trevas no que diz respeito ao processo penal

Já o então juiz Sérgio Moro, destacou o ministro, "era o verdadeiro chefe da força-tarefa de Curitiba". "Quem acha que isso é normal, certamente não está lendo a Constituição e o nosso Código de Processo Penal."

Em determinado momento de seu voto a respeito da flexibilização da regra sobre a ordem da fala dos réus delatados e delatores nos processos oriundos da "lava jato", Gilmar declarou que “quem defende tortura não pode ter assento no STF”.

Ele se referia a Moro e a prisões preventivas praticadas pela força-tarefa. “Quem defende tortura não pode ter assento na Corte Constitucional. O Brasil viveu uma era de trevas no que diz respeito ao processo penal.”

Assista a declaração do ministro:


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet