Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Seja certa ou errada a decisão tomada, doravante o árbitro não decide mais sozinho
  • FÁBIO DE OLIVEIRA
    O Brasil vive um momento semelhante ao vivido pela Argentina quando escolheu Macri
  • GONÇALO ANTUNES DE BARROS
    Esperar pela receita de como viver melhor é sentimento utópico
/ O PREÇO DA LIBERDADE

Tamanho do texto A- A+
11.09.2019 | 08h39
Empresário oferece prédio para reaver fiança de R$ 12 milhões
Dinheiro está depositado em juízo desde 2016, quando Valdir Piran foi preso na Operação Sodoma 4
Reprodução
O empresário Valdir Piran (no detalhe)
THAIZA ASSUNÇÃO
DA REDAÇÃO

O empresário Valdir Piran pediu à Justiça a substituição da fiança de R$ 12 milhões que entregou em 2016 para sair da cadeia por um imóvel localizado na Avenida do CPA e atualmente ocupado pelo Supermercado Comper.

Piran, que atua no ramo de factoring, foi preso em setembro de 2014 na 4ª fase da Operação Sodoma.

Para conseguir a liberdade, o empresário ofereceu R$ 12 milhões como garantia à Justiça, valor que está na Conta Única do Poder Judiciário até que a ação seja julgada.

No pedido, Piran afirmou que o imóvel tem “valor superior ao ofertado, não havendo qualquer prejuízo, restituindo o valor ao seu proprietário, nos moldes do art. 330 do CPP."

O empresário ainda pediu a revogação de três medidas cautelares: de não manter contato com as testemunhas arroladas pelo Ministério Público e com os demais réus, sob qualquer pretexto; não frequentar repartições públicas estaduais e recolhimento dos seus passaportes FF481905 (Brasil) e YA3274241 (Italiano).

O Ministério Público já se manifestou contrário ao pedido de substituição da fiança, bem como da revogação das medidas cautelares.

O pedido agora será analisado pela juíza Ana Cristina Mendes, da 7ª Vara Criminal.

Sodoma 4

Piran foi denunciado por suposta participação em esquema que teria desviado pelo menos R$ 15,8 milhões dos cofres públicos, por meio de pagamento a desapropriação de um terreno do bairro Jardim Liberdade, na Capital.

Deste total, o ex-governador Silval Barbosa - apontado como líder do esquema - teria lucrado R$ 10 milhões e repassado a Piran por meio da empresa SF Assessoria, do empresário e delator Filinto Muller, como pagamento de uma dívida de campanha.

Piran cooperou com a Justiça e admitiu que tinha esse crédito com Silval. O empresário, todavia, alegou que nunca participou da organização criminosa e não tinha ciência da origem do dinheiro.

Leia mais: 

Juíza revoga prisão de Valdir Piran após fiança de R$ 12 milhões


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet